JP Morgan lançou uma criptomoeda?

18/02/2019


O JP Morgan, o maior banco dos Estados Unidos, chocou a comunidade financeira na quinta-feira ao lançar seu próprio produto blockchain. O CEO do JPM, Jamie Dimon, é alvo frequente de escárnio na comunidade cripto devido à sua negatividade declarada em relação ao Bitcoin e ao mercado de criptomoedas.

Dimon disse que, embora não seja um fã do Bitcoin, ele acredita que o blockchain pode ser um benefício para as finanças. Apesar de seus comentários de anos, o JP Morgan está no espaço cripto há anos, lidando com transações Bitcoin enquanto Dimon vai à televisão para criticar o Bitcoin como uma “fraude”.

"Criptomoeda" tem muitas definições no mundo. Vejamos as propriedades do Bitcoinem oposição ao dólar americano. O Bitcoin deve ser dinheiro digital, conforme descrito no whitepaper. As transações não podem ser “puxadas” no protocolo de base, como podem com as contas bancárias fiat e cartões de crédito (que é a base da maioria das fraudes). A natureza do "dinheiro" é que aquele que o detém, essencialmente, o possui. Não é diferente com moeda fiat, exceto que às vezes você precisa de advogados para garantir sua propriedade. O banco pode roubar ou perder seus fundos. Em Bitcoin, contanto que você guarde suas chaves, você possui seu dinheiro. Você "se torna seu próprio banco".

Dois outros aspectos da definição do Bitcoin também são importantes. O Bitcoin é descentralizado, o que significa que não há ponto central de controle. Em vez de uma complicada estrutura de comando de representantes de contas e intermediários, o Bitcoin opera em um conjunto de regras chamado consenso. Se uma transação atende a essas regras, ela é incluída no blockchain, o seu núcleo de registro de transações do Bitcoin.

 

Resistência à censura e imutabilidade definem criptomoeda

O que nos leva a um dos aspectos mais importantes do Bitcoin desde o início é a resistência à censura. Para os propósitos do sistema bancário moderno, um cripto-token que passa por isto é realmente impossível. A “censura” aplicada ao dinheiro significa, em parte, que ele cumpre com a lavagem de dinheiro e exigências políticas. Por exemplo, é ilegal para os americanos fazerem a maioria dos tipos de negócios com os iranianos. É tecnicamente ilegal enviar dinheiro para os iranianos usando Bitcoin, mas é bem possível. No entanto, não é nada fácil enviar uma transferência bancária para o Irã.

A questão, então, é o que define uma criptomoeda? É simplesmente o uso de protocolos criptográficos para proteger transações, ou são as propriedades mencionadas acima que fazem o Bitcoin?

O uso da criptografia não torna algo uma criptomoeda. A criptografia está em todo lugar. Você já usou alguma forma de criptografia hoje se você olhou praticamente qualquer coisa online. Criptomoeda é um tipo de ativo digital. Existem outros tipos de ativos digitais, como moedas bancárias e tokens de utilidade. O JPM Coin não é uma criptomoeda. O JPM Coin é uma moeda bancária.

O maior banco da América lançou um produto interno para reduzir o atrito em seu movimento de mais de US $6 trilhões por dia. A plataforma não possui todas as propriedades de um blockchain tradicional - é mais um livro distribuído tokenizado com censura e governança centralizada.

Brad Garlinghouse, CEO da Ripple, disse em um tweet que este projeto do JP Morgan não tem sentido. Ele explicou que o JPM Coin conta com uma "rede fechada", que não tem nada de inovador.


“Como previsto, os bancos estão mudando sua sintonia com as criptos. Mas esse projeto do JPM não tem sentido - introduzir uma rede fechada hoje é como lançar a AOL após o IPO da Netscape.”

Garlinghouse dirigiu seus seguidores para um artigo que ele escreveu no LinkedIn há dois anos. O título dizia “O caso contra o BankCoin”. Ele discute como os chamados “tokens bancários” não são melhores que moedas independentes como a XRP.

"Acreditamos firmemente que os bancos precisam de um ativo digital independente para permitir uma liquidação realmente eficiente e acreditamos que a XRP está melhor posicionada para esse papel. Isso remonta aos fundamentos do que torna os ativos digitais únicos e especiais - eles são moedas universais, o que significa que qualquer um pode usá-los como unidades de valor em qualquer lugar do mundo. Essa universalidade proporciona aos ativos digitais um alcance global e a capacidade de se estabelecer muito mais rapidamente do que os ativos tradicionais.”

A situação leva a uma questão importante: os clientes e especuladores, ambos serão usuários da XRP? Para explicar melhor, um usuário compraria/venderia a XRP pelo que ela faz. Ele compraria o token apenas para realizar uma transação online mais barata e mais rápida. E o receptor também trocaria a XRP pela moeda local no momento em que a recebesse.

Enquanto isso, um especulador manteria a criptomoeda XRP com o objetivo de trocá-la por um valor mais alto no futuro. O mesmo não pode ser dito sobre uma moeda bancária como a JPM Coin, cuja única finalidade é liquidar transações em tempo real.

JP Morgan decidiu usar o blockchain para movimentar com mais eficiência trilhões de dólares entre os clientes. Eles criaram um token para fazer isso, o que é basicamente uma necessidade de usar um blockchain.

A “moeda” não é para as pessoas comuns. Não é para as pessoas, na verdade. Assim, seu efeito líquido sobre a saúde e o bem-estar da cripto-economia é efetivamente nada.

 

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: ccn


COMENTÁRIOS