Proof of Stake ou Proof of Work, eis a questão

22/05/2020


O Bitcoin é a maior moeda digital descentralizada do mundo, com uma capitalização de mercado estimada em torno de US $169 bilhões. Nos quase 12 anos desde a publicação do famoso whitepaper de Satoshi Nakamoto em 2008, o Bitcoin se tornou o exemplo mais conhecido de criptomoeda e é responsável por desencadear a revolução do blockchain.

Mais de meio milhão de transações foram registradas no blockchain do Bitcoin, um livro distribuído público e verificável. O algoritmo de consenso de Proof of Work (prova de trabalho) da rede confirma transações e produz novos blocos sem a necessidade de terceiros. O Bitcoin é uma tecnologia revolucionária, mas a enorme pegada energética da rede é comparável a todo o país do consumo de eletricidade da Irlanda.

Felizmente, o ecossistema do blockchain hoje está mais diversificado do que nunca: agora, um número crescente de cadeias de blocos é baseado em protocolos de Proof of stake (prova de participação) e representam bilhões de dólares dos Estados Unidos em valor, sem um impacto ambiental comparável. As cadeias de blocos de proof of stake em jogo têm inúmeras vantagens em relação à prova de trabalho: são mais escaláveis, consomem menos recursos e incentivam a participação dos participantes na segurança da rede.

Apesar da onda de inovação em blockchain PoS e das diferenças econômicas e de incentivo fundamentais dessas redes, muitos ainda assumem que todos os blockchains são criados da mesma forma e que os blockchains PoS ainda devem ser tributados e regulamentados nos EUA da mesma maneira que os blockchains Bitcoin e PoW. Esse ambiente regulatório inibe a inovação de proof of stake, afastando projetos inovadores dos EUA

Para continuar a impulsionar a inovação tecnológica e o crescimento desse novo ecossistema financeiro, é necessário elaborar leis tributárias com um profundo conhecimento da tecnologia subjacente e os incentivos dessas novas redes para refletir melhor os desenvolvimentos na tecnologia blockchain que surgiram desde o Bitcoin.

Orientações fiscais sobre o Proof of Work estão sendo aplicadas ao Proof of Stake

As únicas orientações sobre tributação de criptomoedas do Internal Revenue Service estão no Aviso 2014-21 e no Aviso 2014-16 IRB 938. Esta orientação menciona que as recompensas de mineração são tratadas como renda ordinária na data de recebimento das recompensas de mineração. A questão é que essas diretrizes foram escritas em 2014, precedendo a maioria das cadeias de blocos de proof of stake existentes hoje.

As orientações fiscais elaboradas antes da existência de protocolos baseados em proof of stake (PoS) podem regular adequadamente o setor de PoS? Não. Os blockchains de prova de participação e seus incentivos econômicos são fundamentalmente diferentes por design e devem ser regulamentados de acordo.

A orientação do IRS de 2014 não deve ser confundida com estatutos aprovados pelo Congresso ou interpretações autorizadas de leis e regulamentos emitidos por tribunais federais. Empreendedores e inovadores bem-intencionados, interessados em construir redes baseadas na tecnologia PoS, se beneficiariam muito da clareza regulatória. E é fundamental que os reguladores entendam as distinções tecnológicas.

Como os incentivos das redes de Proof of Work e de Proof of Stake se diferenciam

Nos protocolos de proof of work (prova de trabalho), problemas matemáticos que exigem muita energia precisam ser resolvidos para criar o próximo bloco. O minerador que resolve o problema matemático e cria o próximo bloco também cria a recompensa do bloco na forma de tokens gerados - pense nisso como "inflação da rede". Em essência, os mineradores são incentivados a fazer uma tremenda quantidade de trabalho computacional para serem potencialmente recompensados com novos tokens.

Com os protocolos de proof of stake (prova de participação), os indivíduos "apostam" ou mostram propriedade dos tokens bloqueando uma quantidade definida de tokens por um período definido e são selecionados aleatoriamente para verificar as transações no protocolo. Os participantes da rede são incentivados a manter a integridade das transações na rede, sendo recompensados com novos tokens. Esse processo é conhecido como "forging" ou "minting" nos protocolos PoS. O protocolo possui mecanismos embutidos para penalizar qualquer pessoa que verifique falsamente ou negligentemente as transações "cortando" essa atividade, o que significa que o indivíduo perde uma parte de seus tokens apostados.

Excesso de tributação e volatilidade

As orientações de 2014 para redes de proof of stake introduziram vários problemas tributários para os participantes da rede à medida que eles ganhavam recompensas. Essas questões dizem respeito à tributação, no que se refere ao momento dos eventos tributáveis, inflação da rede e taxas de participação na rede.

Momento da tributação: nos mercados voláteis de criptomoedas, os valores das moedas podem variar amplamente. Os impostos sobre as recompensas de stakes são calculados no momento em que as recompensas de token são recebidas sob a orientação atual do IRS. Quando um participante da rede paga impostos, o valor da moeda pode ter caído significativamente. As moedas não valem o que eram quando foram recebidas, mas são tributadas com base no valor em que foram recebidas, deixando o participante da rede com uma enorme carga tributária.

Inflação da rede: para que um participante da rede receba recompensas de stake, ele precisa vincular esses tokens à rede. Se todos os portadores de tokens vincularem seus tokens para participar na proteção da rede, as recompensas de token serão distribuídas igualmente com base na taxa de inflação da rede. Por exemplo, se John apostar 100 fichas e a taxa de inflação da rede for 10%, supondo que haja 100% de participação na aposta, John ganhará 10 novos tokens quando as recompensas forem emitidas pela rede. Nesse cenário, as apostas efetivamente permitem que John recupere a diluição de sua parcela proporcional da rede. Mas, sob as orientações atuais do IRS, John é obrigado a pagar impostos sobre o valor total em dólar desses tokens no momento em que as recompensas são recebidas, mesmo que sua participação proporcional na rede não aumente.

Participação na rede: Embora a participação na rede PoS seja extremamente alta - Cosmos e Tezos têm taxas de participação acima de 70% - na realidade, as redes raramente m 100% dos holders participando de stakes (apostas). Por exemplo, se Alice possui 100 tokens na mesma rede e Alice não participa da aplicação de apostas, os 10 tokens que Alice ganharia por proteger a rede - com a mesma taxa de inflação de 10% da rede - serão redistribuídos a todos os token-holders que escolheram apostar, incluindo alguns para John, que agora ganharão um pouco mais de 10 fichas por apostar. Sob a orientação atual do IRS, John é tributado sobre o valor em dólar de todas essas recompensas - os 10 tokens correspondentes à taxa de inflação da rede mais sua parte dos tokens que Alice teria ganho - mesmo que a maioria dessas recompensas cubra apenas a recuperação da diluição de sua parcela proporcional da rede.

A orientação atual do IRS, aplicada às redes PoS, cria uma carga tributária excessiva para os participantes da rede. A aplicação das diretrizes de mineração de Bitcoin de 2014 desencorajaria fortemente a participação da rede nos EUA hoje. Se não for abordado, isso poderá levar os inovadores a deixar os EUA para países com regulamentos fiscais mais avançados.

Um novo caminho a seguir: propriedade criada

Abraham Sutherland, professor adjunto da Faculdade de Direito da Universidade da Virgínia, publicou recentemente um trabalho de pesquisa no Tax Notes que argumentava que as recompensas de apostas deveriam ser tratadas como "propriedades criadas". Esta é uma nova aplicação de um conceito de décadas de propriedades criadas ou descobertas pelos contribuintes, como lavouras, minerais, gado, obras de arte e até widgets de uma linha de montagem. Nesses exemplos, a propriedade logicamente não é tributada na criação, mas quando é vendida. A tributação das recompensas de apostas como propriedade criada garantirá que os holders não sejam submetidos à notas fiscais excessivas.

As leis tributárias podem promover a inovação nos EUA

As leis tributárias, quando adaptadas às novas tecnologias promissoras, podem realmente promover a inovação. Em 1998, o Congresso aprovou a Lei de Liberdade Tributária da Internet, que proíbe governos federais, estaduais e locais de tributar o acesso à Internet e de impor impostos discriminatórios somente à Internet, como impostos por bit, impostos por largura de banda e impostos por email. O ITFA também proíbe vários impostos sobre o comércio eletrônico - um enorme estímulo ao crescimento da economia da Internet nos EUA.

Mais de 30 anos depois, os EUA agora são um líder bem estabelecido do movimento global em inovação na Internet, com Google, Facebook, Microsoft, Netflix e Amazon crescendo em algumas das mais valiosas empresas de capital aberto do mundo. Os EUA ainda estão se beneficiando até hoje da previsão regulatória que garantiu que a Internet tivesse a oportunidade de crescer aqui.

Do ponto de vista político, os reguladores dos EUA desempenham um papel importante na consideração cuidadosa das leis tributárias, de modo a proporcionar um ambiente que cultive esses protocolos. Como nos primeiros dias da internet, ainda estamos nos estágios iniciais do blockchain.

Fonte: cointelegraph

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.


COMENTÁRIOS