Bitcoin pode ultrapassar base monetária do Canadá em valor de mercado

11/11/2020


Nos últimos anos, o valor do Bitcoin cresceu exponencialmente. O movimento foi tal que fez o criptoativo superar o valor da base monetária de diversos países.

Base monetária é o total de dinheiro que circula em uma economia. Seja na forma de moeda em circulação ou reservas bancárias dos bancos no Banco Central, tudo faz parte dessa base.

A capitalização de mercado do Bitcoin está ultrapassando rapidamente a base monetária de várias moedas nacionais e parece que o dólar canadense é o próximo.

Quando o Bitcoin atingiu o nível de US $ 14.000, sua capitalização de mercado ultrapassou a base monetária do rublo russo.

O gráfico abaixo traz uma comparação entre ouro (coluna amarela), prata (cinza), Bitcoin (laranja) e as bases monetárias globais restantes (roxo).

Nele é possível ver que o Bitcoin está bem próximo do Canadá. Caso o preço do criptoativo atinja os US $ 18 mil, ele terá superado o valor da base monetária canadense.

O gráfico também mostra que os Estados Unidos têm US $ 4,9 trilhões (R$ 26 trilhões) em notas físicas, moedas e depósitos bancários estacionados no Federal Reserve (Fed).

Para superar a base monetária atual dos EUA, o Bitcoin teria que alcançar US $ 263 mil (R$ 1,4 milhão). E para superar o valor de mercado do ouro, precisaria atingir US $ 560 mil (R$ 3 milhões).

Essa mudança não é pouca coisa para uma criptomoeda de apenas 11 anos. De acordo com Fernando Ulrich, o economista por trás do Crypto Voices, os 30 principais concorrentes do dinheiro base cobrem 95% do PIB. Além do euro cobrindo muitos países, alguns dos 113 principais atrelam suas moedas ao dólar americano.

Os pesquisadores do Crypto Voices inferem que, até agora, os Bancos Centrais e governos mantiveram sua capacidade de imprimir dinheiro, independentemente de seus acervos de ouro. Portanto, não há pressão para buscar um novo "padrão ouro" ou algo remotamente semelhante.

Como os pesquisadores resumiram perfeitamente, a inflação deprecia as moedas fiduciárias pouco a pouco. Isso fez com que o Bitcoin ultrapassasse várias moedas, pois elas sucumbiam à impressão excessiva. Na verdade, 2020 teve a mais ampla expansão da base monetária global já registrada.

Como mostrado claramente acima, a oferta monetária global aumentou US $ 5,5 trilhões em 2020. Isso é uma expansão de 28%, enquanto o Bitcoin teve um corte de 50% em sua emissão com o halving ocorrido em maio.

O que vem adiante?

A grande questão na mente dos investidores é se o modelo stock-to-flow do Bitcoin prevalecerá. De acordo com alguns críticos, existem várias falhas na suposição de que o Bitcoin atingirá US $ 100 mil e mais em 2021 e além.

O rublo caiu, assim como muitas outras moedas soberanas, então agora todos os olhos estão voltados para o dólar canadense. Conforme mostrado no gráfico de oferta de moeda base fiduciária, a base monetária do dólar canadense está em US $ 335 bilhões, o que equivale a um preço de Bitcoin de US $ 18.000.

Os pesquisadores do Crypto Voices concluíram que até agora, o monopólio do dinheiro “funciona” para os Bancos Centrais e para seus governos.

Afinal, esse monopólio torna a emissão de moeda virtualmente sem custo. Com o fim do padrão-ouro, não existe mais qualquer amarra para a emissão de dinheiro por parte dos governos.

Quanto ao Bitcoin, os analistas são otimistas, mas alertam que o seu valor depende do crescimento ou da adoção dele pelos Bancos Centrais.

Se e quando ele se tornar grande o suficiente para estar naquele gráfico e/ou detido pelos bancos centrais, então, e somente então, teremos alguma ideia de quanto o Bitcoin ‘custa’ aos bancos centrais.”

Fonte: cointelegraph

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.


COMENTÁRIOS