Como funciona a taxa de hash e qual sua importância para o Bitcoin?

06/05/2020


Muito se fala sobre a taxa de hash (hashrate) do Bitcoin e sobre sua influência sobre o preço deste, mas pouco se explica como funciona essa métrica que regula o Bitcoin.

A taxa de hash está relacionada à quantidade de cálculos que os computadores da rede estão fazendo por segundo para resolver problemas de hash. Esta é uma parte integrante da arquitetura do blockchain do Bitcoin.

Quando Satoshi Nakamoto projetou a primeira criptomoeda do mundo, ele teve que resolver um problema básico: como obter nós qualificados (ou computadores em uma rede, neste caso, Bitcoin)? Ou seja, como obter nós que manteriam o sistema e teriam um incentivo para não haver trapaças, mantendo a lisura da rede e fomentando um grande incentivo financeiro para enganar o sistema. Sem esse mecanismo a rede poderia ser corrompida e a tornaria inútil.

Portanto, a solução foi exigir nós para resolver as funções de hash, o que requer um gasto de energia de processamento e eletricidade.

Se eles gastassem o dinheiro para minerar Bitcoin e depois trapaceassem, ou seja, recompensando-se mais Bitcoin do que o permitido para resolver um hash, os outros nós rejeitariam seu bloco, eles não receberiam a recompensa de Bitcoin e perderiam o dinheiro gasto na eletricidade.

Uma solução elegante para afastar as possibilidades de trapaças e criar a confiança baseada em software:

A atividade de mineração é uma das principais funções do Bitcoin e foi uma das principais ideias inovadoras de Satoshi Nakamoto. Simplificando, sem mineração, nem o Bitcoin nem as criptomoedas em geral provavelmente existiriam hoje. A mineração ajuda a:

- Proteger a rede, impedir a corrupção e desincentivar os maus atores de adulterarem o livro público.

- Gera os novos Bitcoins em circulação.

- Monitora e transmite todas as transações que ocorreram em rede.

- Valida e acrescenta novas informações de transação ao blockchain para permitir que os usuários efetuem transações de maneira confiável.

Os mineradores geralmente podem entender seus custos, que são predominantemente uma função de Hardware/Instalações e eletricidade para operar as plataformas de mineração, que dada uma quantidade fixa de taxa de hash na rede, lhes permitem determinar sua capacidade de obter lucro sob condições específicas de preço do Bitcoin.

No entanto, o número total de hashes (poder de computação) realizados na rede Bitcoin não é constante ou previsível. Em vez disso, o poder de hash flutua significativamente ao longo do tempo, e nem sempre alinhado com o preço do Bitcoin.

Essa técnica criptográfica é como os servidores da Internet evitam há muito tempo o spam e os ataques de negação de serviço distribuída (DDoS). Digamos, por exemplo, que você queira atacar o servidor de alguém do seu computador e derrubar o site dele. Você pode fazer com que seu computador faça tantas solicitações ao servidor que ele fique sobrecarregado e torne-se inativo. Mas se o servidor deles fizesse com que o seu computador resolvesse um hash criptográfico para cada solicitação, seu computador iria parar, tentando enviar tantas solicitações que iria comprometer o seu computador. Ou, se você tivesse um computador poderoso o suficiente, ainda teria que gastar muito com eletricidade, o que tornaria caro o ataque. Mas não há problema em enviar um número legítimo de solicitações e gastar um segundo resolvendo um problema de hash. Agora você é um nó qualificado.

O Bitcoin usa uma função de hash criada pela Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) e publicada em 2001. É chamada SHA-256. É um programa que pega qualquer sequência de caracteres de qualquer tamanho e os condensa em um hash de 256 bits, uma sequência de números.

O algoritmo SHA-256 sempre produzirá o mesmo hash para a mesma entrada. Mas se você alterar apenas uma letra da entrada, o hash mudará completamente. Portanto, é uma função pseudo-aleatória.

Para o Bitcoin, a implementação fornece aos mineradores um hash e eles precisam adivinhar qual foi a contribuição para criá-lo. Como a função hash é pseudo-aleatória, a única maneira de encontrar a entrada é fazer milhões de palpites e colocar cada palpite no SHA-256 para ver se o hash sai.

Eventualmente, um minerador de Bitcoin faz o palpite certo e desbloqueia a capacidade de colocar o próximo bloco de transações no blockchain, além de criar um novo Bitcoin para se premiar como pagamento pela manutenção da rede. O software é codificado para ajustar o nível de dificuldade com base na taxa de hash da rede para atingir o ritmo de um novo bloco extraído a cada 10 minutos.

Por esse motivo, é fundamental a capacidade dos mineradores de proteger sua taxa de hash e melhorar sua capacidade de manter a lucratividade por meio de uma variedade mais ampla de cenários de preço e taxa de hash.

Por exemplo, considere uma grande operação de mineração institucional que está decidindo se deve ou não entrar no mercado. Eles têm o orçamento para adquirir equipamentos que hoje lhes darão poder de mineração suficiente para capturar 1% da taxa de mineração/hash. Com isso, eles podem esperar receber, em média, 18 BTC por dia.

A um preço de US $8.000 por Bitcoin, se os custos operacionais forem superiores a US $144 mil por dia (no nível de recompensa de hoje), um minerador não terá nenhum lucro e, portanto, não deverá entrar no mercado. No entanto, se seus custos operacionais forem de US $100 mil por dia, eles terão uma boa margem de lucro e provavelmente entrarão no mercado. Mas, três meses depois, as plataformas de mineração chegam às instalações e o Bitcoin subiu para US $10.000 por moeda, mas a taxa de hash do Bitcoin dobrou. Agora eles terão apenas 0,5% da taxa total de hash, representando uma recompensa, em média, de 9 BTC por dia. A US $10.000 por BTC, eles compensarão US $90.000 por dia em receita, com uma perda líquida de US $10.000 por dia, assumindo um custo operacional mantido de US $100.000 por dia. Isso não é um bom presságio para a longevidade de seus negócios.

Fonte: cointelegraph

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.


COMENTÁRIOS