Crise econômica e política levam o real ao menor poder de compra desde 1994 - como as criptomoedas podem te proteger?

10/09/2021


O real tem hoje o menor poder de compra da sua história. De acordo com o IBGE, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de agosto foi de 0,87%, a maior variação para um mês de agosto desde 2000 (1,31%).

No ano, o IPCA acumula alta de 5,67% e, nos últimos 12 meses, de 9,68%, acima dos 8,99% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2020, a variação mensal foi de 0,24%, muito abaixo da atual.

Na prática, significa que o brasileiro não está mais conseguindo comprar o que comprava, nem em 1994, nem há poucos meses.

Na redes sociais, o assunto chamou a atenção após uma publicação de alerta do economista e Head de Educação na Liberta, Fernando Ulrich.

Em seu perfil no Twitter, Fernando Ulrich foi enfático ao afirmar que o real brasileiro tem o menor poder de compra desde o início da moeda, em 1994, quando o real foi criado e implantado no Brasil.

A publicação dizia:

A publicação trazia uma imagem representativa da perda do poder de compra do real.

Ulrich comentou a própria publicação com uma outra imagem representativa do poder de compra menor em 2021 e mostrando “Outra forma de visualizar a destruição do poder de compra do real.”

As publicações de Ulrich repercutiram. Uma delas, do perfil @owlmilo, dizia, “Enquanto isso...”, acompanhada de uma imagem representativa do poder de compra do Bitcoin (BTC).

Muito dos motivos para essa desvalorização do real se deve à crise política entre os três poderes da república, que causa incertezas no mercado e insatisfação na população. O embate político tira o foco de problemas reais que a população enfrenta no dia a dia e que acabam esquecidos pelo poder público.

Com essas incertezas, o cenário econômico se agrava, a inflação piora e corroi os ganhos dos brasileiros.

Mas, se o real vive seu pior momento, em contrapartida os criptoativos, criptomoedas (ou ativos digitais, como o mercado tradicional gosta de chamar) vivem outra realidade.

Só para se ter uma ideia, o Fórum Econômico Mundial disse que os países precisam intensificar a integração das criptomoedas às suas economias.

A entidade explicou que a adoção global das criptomoedas cresceu 2.300% desde 2019, e 881% apenas no último ano.

Afirmou que “o bitcoin evoluiu de uma pequena comunidade de nicho na internet para um ativo amplamente conhecido por investidores, empresas e gestoras de investimentos”.

Entre os motivos apontados pelo Fórum para a adoção das criptomoedas estão a desvalorização das moedas fiduciárias; os altos custos cobrados no sistema financeiro tradicional para processar transações; o surgimento e o ganho de escala de stablecoins que facilitam a integração entre os sistemas tradicional e cripto; e o surgimento de tecnologias de registro distribuído.

A entidade diz ainda que é preciso mudar a mentalidade das autoridades, que alegam que as criptomoedas também são usadas para atividades criminosas.

"Atividades ilícitas envolvendo criptomoedas são significativamente menos frequentes do que no sistema tradicional e respondem por apenas 0,34% de todas as transações com criptoativos.”

E sobre as tentativas dos órgãos de barrar os criptoativos, diz:

“Banir as criptomoedas não pode evitar a adoção; vai apenas limitar a capacidade dos reguladores de conduzir as atividades de mercado rumo a usos e empregos com menos risco”

Stablecoins

Masmo quando uma forte liquidação no mercado de criptomoedas recentemente atingiu alguns dos principais criptoativos, como Bitcoin (BTC), Ether (ETH), Cardano (ADA) e Solana (SOL), as stablecoins conseguiram manter sua força no mercado.

As stablecoins oferecem proteção temporária aos traders contra a notória volatilidade dos preços das criptomoedas. Elas conseguem manter lastro de um dólar e oferecem liquidez suficiente aos donos das stablecoins durante o declínio do mercado. No caso dos brasileiros, pode ser uma oportunidade de proteção contra a inflação e desvalorização do real.

Por exemplo, o Tether (USDT), a principal stablecoin em volume, processou US$ 10,51 bilhões em transações na terça-feira, em comparação com US$ 4,02 bilhões na segunda-feira.

Da mesma forma, a segunda maior stablecoin USD Coin (USDC), apoiada pela Circle, relatou US$ 5,728 bilhões em transferências na terça-feira contra US$ 3,27 bilhões na sessão anterior, registrando um aumento de 74%.

Bitcoin (BTC)

O Bitcoin (BTC) estava cotado no momento da escrita deste artigo a US$ 46.839. Um sobe e desce nos últimos dias tem deixado o mercado apreensivo.

O Cointelegraph noticiou que a maior criptomoeda por valor de mercado tinha uma nova variação de correção de preços durante o feriado deste semana, e convidou Diego Pohl, analista e trader da Crypto Investidor, para analisar o BTC.

Ele diz que manter um valor acima dos $42.000 será importante:

“Portanto, será muito importante que o preço se mantenha acima da região dos US$ 42.000, para que tenhamos o rompimento dos US$ 53.000 com volume e, deste modo, buscarmos novos alvos entre US$ 60.000 e US$ 100.000 ainda neste ano.”

Apesar da variação recente de preços do BTC, o gráfico dos últimos 5 anos mostra que o BTC teve muito mais valorização do que perdas.

Fonte: cointelegraph
 
Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

COMENTÁRIOS