Exchanges Centralizadas e Descentralizadas, principais características e diferenças

30/08/2021


O QUE É UMA EXCHANGE? 

Acredito que a forma mais simples de iniciar esse tema é falando sobre o que significa a palavra Exchange, aplicada ao mundo das Criptomoedas. A palavra Exchange em tradução livre pode possuir alguns significados diferentes, mas para efeito do mercado de ações e também para o de criptomoedas podemos usar como “Bolsa”.

Qualquer semelhança não é mera coincidência, assim como utilizamos a palavra bolsa para designar o local onde são negociadas ações de empresas, como a nossa Bolsa de Valores, para o mundo das criptomoedas, como ainda não está plenamente difundido no mundo, no Brasil, menos ainda, seguimos utilizando a denominação “Exchange” para se referir a esses locais onde podemos negociar Criptomoedas.

A forma como funciona uma Exchange para o mundo das criptomoedas é um pouco diferente do que seria uma Bolsa de Valores para o mercado de ações. Numa Bolsa de valores existem empresas listadas e suas ações são negociadas naquele ambiente, nesse ponto se parece muito com o mundo cripto, mas, diferentemente do mercado tradicional, você não precisa de uma Corretora de Valores para fazer as negociações das criptomoedas.

Essa é uma peculiaridade desse mercado de criptomoedas, uma Exchange faz as vezes de “Bolsa de Valores” e também de “Corretora de Valores”. Esse exemplo se aplica perfeitamente à Exchange Centralizada, já que a Descentralizada possui outras características bem peculiares.

EXCHANGE CENTRALIZADA (CEX)

Como exemplificado no exemplo do início do artigo, uma Exchange Centralizada (CEX) tem a função de ser um local onde existe uma relação de moedas listadas (projetos de criptomoedas) e também o local onde você pode fazer as transações, agindo também como uma “Corretora de Valores” aplicada ao universo das criptomoedas. Para deixar mais simples o entendimento, são as “Corretoras” para negociação de criptomoedas. 

Atualmente o mercado de criptomoedas é dominado pelas CEXs, praticamente todo o volume negociado hoje no mundo em criptomoedas no varejo é realizado por meio delas. Aqui vale um comentário, apesar de estarmos num ambiente descentralizado que é o universo das criptomoedas, as CEXs são empresas privadas, possuem CNPJ, sede, CEO e em muitos países devem seguir todas as regras dos órgãos reguladores para conseguir manter suas operações.

Fato inegável é a importância das CEXs para o mercado, seja pela popularização do mercado como um todo, seja pela facilidade para você fazer o cadastro e começar a operar de fato. As plataformas, principalmente dessas CEXs mais conhecidas, são muito amigáveis e a cada dia que passa elas buscam oferecer vários tipos de serviços diferentes nas plataformas.

Assim como numa corretora, você visualiza as ordens por meio de um book de ofertas, e também existem profissionais chamados de “Market Maker” que ajudam a dar maior liquidez dentro dessas plataformas. A função de uma CEX é agir como um intermediário de “confiança”, intermediando intenções de compra e de venda entre pessoas que querem fazer suas operações.

Outro ponto importante e que diferencia muito uma CEX do mercado de investimento tradicional é que, quando você faz uma operação de compra, inicialmente, até que você envie suas moedas para uma carteira onde você detenha as suas chaves privadas, a custódia e consequentemente a posse dessas moedas é da corretora. Por isso a importância de se ter suas próprias chaves privadas.

Segue abaixo algumas das CEXs mais conhecidas do grande público:

  • FTX
  • Binance
  • Coinbase
  • Kraken

EXCHANGE DESCENTRALIZADA (DEX)

A Exchange Descentralizada (DEX) possui algumas características bem diferentes das CEX e pensando em conceito e em ideia, se aproxima muito mais do significado do que é o universo libertário das criptomoedas do que as CEX.

Primeiramente, numa DEX não há a figura de uma empresa privada centralizada com sede, CNPJ ou mesmo CEO. É basicamente uma aplicação desenhada e controlada por um contrato inteligente que garante que as operações serão realizadas entre as partes, numa DEX a função do intermediário de confiança é feita por um Smart Contract.

Indo um pouco além agora e trazendo um comparativo para facilitar o entendimento, o que uma DEX hoje proporciona é praticamente uma “evolução” das operações conhecidas como P2P ou Peer-To-Peer, com a terceirização da confiança, que numa modalidade P2P são as pessoas, diferentemente de uma DEX que disponibiliza um contrato inteligente que irá garantir que se, atendidos os requisitos, a operação será realizada.

Outro ponto que difere a CEX da DEX é a privacidade das informações, numa DEX você não precisa fazer nenhum tipo de cadastro ou passar nenhuma informação sobre você para conseguir fazer suas operações de trocas de moedas, basta você possuir uma carteira e se conectar a uma rede descentralizada.

Apesar de você não precisar se identificar para realizar as transações, essa modalidade praticamente inexiste para quem está iniciando no mercado, tendo em vista que necessariamente para fazer esse tipo de operação se exige um mínimo de conhecimento sobre o funcionamento do mercado e dos conceitos, além disso é preciso ter uma carteira para se conectar, logo, quem está iniciando no mercado, necessariamente teria que começar por uma CEX.

Outro ponto super relevante é a questão da custódia. Em uma DEX a custódia das moedas permanece com as pessoas, não há transferência de custódia para a Exchange, você conecta sua carteira e faz as operações diretamente por meio dela. Podemos citar também a oferta de moedas/tokens, numa DEX a barreira para um token ser listado praticamente inexiste, diferentemente da CEX que possui um controle e uma burocracia muito maior para que um token possa ser listado e passar a integrar o book de negociações de uma CEX.

Segue abaixo algumas das DEXs mais conhecidas do grande público:

  • Uniswap
  • Balancer
  • Curve

Por fim e para resumir, seguem alguns Prós e Contras das CEXs e DEXs:

CENTRALIZADAS

  • PRÓS: acesso para iniciantes; plataforma amigável; diversos tipos de serviços oferecidos e liquidez.
  • CONTRAS: segurança (risco de invasão hacker e perda das moedas); falta de privacidade e ingerência da gestão.

DESCENTRALIZADAS

  • PRÓS: privacidade; segurança; eliminação do terceiro de confiança e diversidade de tokens.
  • CONTRAS: acesso para iniciantes; plataforma pouco amigável e baixa Liquidez.

CONCLUSÃO

Essa foi uma visão geral das principais características das Exchanges Centralizadas e Descentralizadas, cujo funcionamento na prática (salvo todas as suas peculiaridades) é bem parecido com uma junção de Bolsa de Valores com Corretora de Valores, ambas no mesmo ambiente.

Para você que é investidor ou quer iniciar nesse mundo das criptomoedas com o pé direito em termos de conhecimento, entender os conceitos e as diferenças entre elas é fundamental.

Rodrigo Pereira

Ago/21

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.


COMENTÁRIOS