Google e Goldman Sachs apoiam startup de Bitcoin para pequenas empresas com US $25 milhões

28/09/2018


Em vez de depender de uma série de correspondentes para movimentar dinheiro entre diferentes jurisdições em todo o mundo, o mais recente empreendimento de Marwan Forzely, a Veem, usa o Bitcoin para conectar diretamente as contas bancárias de seus clientes com fornecedores e clientes.

Embora nenhuma das contrapartes seja obrigada a deter diretamente o Bitcoin e um algoritmo direciona automaticamente as transações ao longo do processo de pagamento mais eficiente. Mais da metade das transações processadas pela Veem contam com a criptomoeda como substituta dos correspondentes.

Marwan percorreu um longo caminho desde seus dias na Western Union. O empreendedor, que vendeu sua empresa anterior à Western Union para ajudar o gigante de transferências de dinheiro a se conectar diretamente a contas bancárias de clientes, levantou US $25 milhões para cortar completamente os bancos intermediários do processo de pagamento.

CEO da Veem, Marwan Forzely, na Times Square, Nova York, 25 de setembro de 2018

 

Liderada pelo gigante bancário Goldman Sachs, com a GV (antiga Google Ventures), a Kleiner Perkins, o Banco do Vale do Silício, a Trend Forward Capital e a Pantera Capital também participando, o investimento na startup de pagamentos empresariais Veem é principalmente uma ação para acelerar o crescimento exponencial da empresa.

Desde que a empresa, sediada em São Francisco, levantou sua primeira rodada de investimento em maio de 2015, passou de meros 590 clientes para mais de 80.000 hoje.

Como o preço do Bitcoin gira em torno de US $6.500, comparado a US $300 quando a Veem fez sua primeira capitalização, a empresa está ajudando a abrir caminho para startups de Bitcoin de última geração que dão aos clientes acesso à velocidade e rastreabilidade do Bitcoin sem sequer saberem disso.

"O que é importante nesta rodada é o reconhecimento do tamanho da oportunidade, do tamanho do mercado, do tamanho do ponto dolorido que estamos resolvendo", disse Marwan. "E é um crescimento que estamos experimentando".

Este último investimento estratégico vem após uma rodada de US $24 milhões levantada em março de 2017 e eleva o total arrecadado a US $69,3 milhões. O principal investidor, Goldman Sachs, fez o investimento estratégico através do seu Principal Grupo Estratégico de Investimento, que tem estado cada vez mais ativo no mercado blockchain. Como parte do investimento, a diretora administrativa da Goldman Sachs, Rana Yared, se juntará à Veem como observadora do conselho sem direito à voto.

Embora a Veem não esteja divulgando os termos do investimento ou a avaliação, Marwan diz que a receita cresceu quatro vezes desde o mesmo período do ano passado. Acordos de confidencialidade impedem que a Veem compartilhe uma divisão específica das fontes de receita, mas, segundo Marwan, uma porcentagem significativa da receita da empresa vem da integração com serviços de contabilidade online, como Quickbooks, Xero e Netsuite.

Para manter o crescimento exponencial que levou a empresa a aumentar sua base de clientes em 13.000% nos últimos três anos, a Veem optou por concentrar os gastos desta última rodada na construção de novas integrações de parceiros. Enquanto isso, o processo de integração em si dependerá de maior automação, incluindo anti-lavagem de dinheiro e conformidade com o cliente.

Cada vez mais, o grupo estratégico de investimento do Goldman Sachs está estrategicamente apoiando empresas de blockchain que têm o potencial de melhorar o serviço para os clientes do banco, incluindo a Digital Asset Holdings, a empresa de pagamentos Circle e a fornecedora de infraestrutura Axoni. O outro investidor da Veem, a GV – tendo como única parceira a empresa controladora do Google Alphabet - tem um motivo muito mais lucrativo. Com investimentos no trader de commodities LedgerX e na alternativa do banco central Basis, o sócio da GV, Karim Faris, acredita que a Veem poderia ser a primeira startup de Bitcoin a abrir seu capital.

"Não somos um investidor estratégico", disse Faris, que também faz parte do conselho de administração da Veem. “Definitivamente não é uma coisa estratégica. É uma oportunidade para criar uma empresa autônoma e, no processo, fazer um retorno financeiro em uma boa saída ou um IPO no futuro”.

Pouco depois de obter um diploma de bacharel em ciência da computação da Universidade de Ottawa, Marwan desenvolveu um interesse em pagamentos financeiros, acabando por fundar a eBillme.

Em outubro de 2011, a Western Union comprou a eBillme por uma quantia não revelada e Marwan entrou como gerente geral encarregado de parcerias estratégicas, ajudando a integrar sua tecnologia na Western Union para o que eventualmente seria chamado de WuPay. A razão de seu interesse ao longo da carreira nos pagamentos é simples:

"Tudo o que você faz na vida, no final do dia, há um pagamento", disse Marwan. "A tecnologia de pagamento está no centro daquilo que as pessoas fazem e do seu sustento". Se essa experiência inicial com pagamentos se concentrou em tornar os cartões de débito desnecessários, a Veem é significativamente mais ambiciosa no direcionamento do setor de correspondentes bancários.

Para se ter uma ideia de quão grande é a indústria, um relatório de 2017 do Financial Stability Board que analisa a resiliência das infraestruturas financeiras descobriu que havia 470 mil correspondentes usando a plataforma de mensagens bancárias Swift sozinha. Desde 2011, no entanto, esse número caiu em 8%, talvez como resultado de fusões correspondentes, licenças perdidas ou a movimentação de negócios para os concorrentes da Swift, de acordo com o relatório.

O gráfico mostra que, mesmo com o número total de correspondentes diminuindo na plataforma Swift, o volume total de transações está aumentando.

 

Ironicamente, embora os bancos correspondentes enfrentem cada vez mais concorrência, a Swift viu um aumento no total de transações, de acordo com o mesmo relatório. Competindo por esse crescente mercado estão startups como a BitPesa e a Veem, que buscam cortar esses intermediários, substituindo-os por Bitcoin, mais rápido e mais transparente, além de outras alternativas.

“Quando você reconfigura a forma como o dinheiro se movimenta, quando você o usa com uma infraestrutura diferente, você simplifica a estrutura de custos e vira o dinheiro de volta para o proprietário da empresa, o usuário final”, afirma Marwan.

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: Forbes


COMENTÁRIOS