Apoio para legalizar o Bitcoin cresce na América Latina

29/06/2021


 

Membros da comunidade empresarial e políticos de vários países expressaram apoio ao Bitcoin em geral, ou apoio à legislação que envolve o Bitcoin. Alguns até mudaram suas fotos de perfil nas redes sociais para ostentar os olhos brilhantes que significam suporte para a criptomoeda.

No entanto, nenhum deu um passo tão firme quanto o presidente de El Salvador.

O presidente do país da América Central, Nayib Bukele, anunciou na conferência Bitcoin 2021 em Miami que ele estaria introduzindo legislação para fazer a proposta legal da criptomoeda.

A legislação foi aprovada rapidamente, e o Bitcoin será considerado uma forma legal de moeda no país, ao lado de sua moeda primária, o dólar americano, após 7 de setembro.

O país chegou ao ponto de prometer US$ 30 em Bitcoin para cada cidadão que baixa e registra na nova criptomoeda do país, Chivo.

Após o anúncio, as reações de empresários e políticos em toda a América Latina foram mistas.

Paraguai

Em 17 de junho, o legislador paraguaio Carlos Rejala tuitou em apoio ao Bitcoin, dizendo "Este é o Paraguai. Julho nós legislamos! #Bitcoin", provocando rumores de que o Paraguai também poderia adotar o Bitcoin como proposta legal.

Rejala mais tarde esclareceu seus comentários à Reuters, dizendo que vai propor legislação para regular o Bitcoin, não considerá-lo legal, e introduzirá três projetos de lei que ele apresentará em 14 de julho.

"É uma conta de ativos digitais e difere da de El Salvador porque eles estão tomando-o como moeda legal e no Paraguai será impossível fazer algo assim", disse Rejala à Reuters.

Para aprovar e se tornar lei, qualquer projeto de lei relacionado ao Bitcoin teria que obter uma maioria de votos na câmara baixa do país sul-americano, passar na câmara alta e ser aprovado pelo presidente paraguaio.

México

O vizinho dos Estados Unidos ao sul também teve legisladores e empresários jogando seu apoio atrás do Bitcoin.

Eduardo Murat Hinojosa, um legislador mexicano no governo federal,disse em um tweet que estaria "promovendo e propondo um arcabouço legal para criptomoedas na câmara baixa do México".

Do lado dos negócios, a terceira pessoa mais rica do México, Ricardo Salinas Pliego, insinuou no domingo que seu banco Banco Azteca, pode em breve aceitar Bitcoin, de acordo com a Reuters. Seria o primeiro banco a aceitar Bitcoin no país.

Salinas Pliego tuitou vários endossamentos brilhantes do Bitcoin domingo. Bitcoin subiu 8% na segunda-feira de seu preço na sexta-feira.

"#Bitcoin é uma boa maneira de diversificar seu portfólio de investimentos e acho que qualquer investidor deve começar a estudar criptomoedas e seu futuro", tuitou Salinas Pliego. "Na @BancoAzteca estamos trabalhando para trazê-los aos nossos clientes e continuar promovendo a liberdade."

Panamá

O congressista panamenho Gabriel Silva também jogou seu apoio atrás do Bitcoin em um tweet em 7 de junho. O deputado de 32 anos disse que estava trabalhando em uma proposta para apresentar ao Congresso e fazer um convite aberto para os colaboradores.

"Isso é importante. E o Panamá não pode ser deixado para trás. Se queremos ser um verdadeiro hub de tecnologia e empreendedorismo, precisamos apoiar as criptomoedas", disse Silva no tweet.

Apesar da atividade de mídia social de funcionários do governo que apoiam a legislação bitcoin, poucos passos firmes foram dados nos países latino-americanos para seguir os passos de El Salvador. Alguns dizem que isso não é uma coisa tão ruim,dada a natureza do Bitcoin como uma moeda que não está ligada a nenhuma economia ou moeda.

Ainda assim, ainda não

se sabe se mais países e empresas na América Latina se tornarão mais receptivos à moeda digital com o passar do tempo.

Fonte: Fortune

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.


COMENTÁRIOS