Banco Central da Índia quer criar sua própria moeda digital

03/09/2018


O Banco Central da Índia, Reserv Bank of Índia (RBI), confirmou a criação de um grupo  encarregado de analisar a viabilidade de emitir uma moeda digital para o banco central (CBDC) apoiada pela rupia, informou o Economic Times em 30 de agosto.

O estabelecimento e foco do grupo foi detalhado no Relatório Anual 2017-18 do banco, confirmando detalhes anteriores após uma reunião do Comitê de Política Monetária (MPC) da Índia em abril.

O ímpeto para investigar a emissão de uma criptomoeda própria deriva em grande parte de considerações de custos. O Economic Times cita estatísticas que sugerem que o custo de impressão de notas em papel na Índia foi de 6,3 bilhões de rúpias (cerca de US $89 milhões) para o exercício financeiro de 2018. O relatório do RBI observou que:

“Globalmente, os custos crescentes de gerenciar papel moeda levaram os bancos centrais do mundo todo a explorar a opção de introduzir moedas digitais fiduciárias.”

Outros fatores incluem “mudanças rápidas na indústria de pagamentos” e o “aumento” de tokens digitais privados, de acordo com o Economic Times.

Mahesh Makhija, da EY Índia, disse ao jornal que "a ideia de um banco central emitindo moeda digital é muito promissora, embora questões sobre a falsificação digital precisem ser abordadas". Ele observou ainda que a indicação do RBI de que está aberto à ideia de usar a tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) para sistemas de pagamento, compensação e processos de liquidação é "um desenvolvimento bem-vindo".

Embora tenham notado que as criptomoedas atualmente não apresentam "riscos sistêmicos", em seu relatório, o banco alertou que "o mercado de criptomoedas pode afetar o sistema de pagamento e liquidação existente que poderia, por sua vez, influenciar a transmissão da política monetária".

Solicitando coordenação com reguladores globais para enfrentar os desafios impostos pelas criptomoedas, o banco anunciou que, enquanto isso, estaria acompanhando de perto as “criptomoedas sendo negociadas menos nas exchanges e mais no modo peer-to-peer, que também pode envolver o aumento do uso de dinheiro. Possibilidades de migração de exchanges para locais offshore levantando preocupações com o Combate à Lavagem de Dinheiro (AML) / Combate ao Financiamento do Terrorismo (CFT) e questões tributárias”.

A proibição controversa do RBI sobre os negócios dos bancos com empresas e pessoas relacionadas à criptomoedas entrou em vigor em 5 de julho. Em resposta, algumas exchanges locais suspenderam retiradas ou indicaram planos de se transformarem em peer-to-peer (P2P), de modo a evitar a conversão interna de moeda fiat para criptomoedas.

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: cointelegraph


COMENTÁRIOS