FMI diz que Bitcoin poderia criar menos demanda por dinheiro fiat

06/06/2018


Uma coisa é certa, o FMI tem muito a dizer hoje em dia sobre a tecnologia bitcoin e outras soluções em criptomoedas. Mais recentemente, a diretora administrativa do FMI, Christine Lagarde, teve muitas palavras positivas para falar sobre as moedas digitais. Além disso, o FMI também apresentou uma imagem da evolução do dinheiro e um bitcoin sendo o próximo estágio, que foi exibido na primeira página do site do FMI. Agora, o FMI divulgou um relatório escrito por vários pesquisadores do FMI afirmando:

“Não podemos descartar a possibilidade de que algumas criptomoedas sejam eventualmente mais amplamente adotadas e cumpram mais as funções do dinheiro em algumas regiões ou redes de comércio eletrônico privadas.”

Foto exibida em um dos artigos na página principal do FMI

O estudo observa que a crise financeira global e os resgates dos bancos "renovaram o ceticismo em alguns setores" do mundo e há uma possibilidade de que os ativos digitais possam afetar as políticas monetárias globais tradicionais. Fala-se também de uma "mudança de pagamento" dentro do estudo, em que as criptomoedas podem substituir moedas fiat em algumas regiões.

"Essa mudança também poderia pressagiar uma mudança na forma como o dinheiro é criado na era digital: do dinheiro do crédito ao dinheiro de commodity, podemos voltar ao ponto em que estávamos no Renascentismo", explica o relatório do FMI.

“Os economistas continuam a debater as origens do dinheiro e por que os sistemas monetários parecem ter alternado entre commodities e crédito ao longo da história. Se os ativos cripto de fato levarem a um papel mais proeminente para o dinheiro de commodities na era digital, a demanda por moeda do banco central provavelmente diminuirá.”

"Não muito tempo atrás, alguns especialistas argumentavam que os computadores pessoais nunca seriam adotados, e que os tablets só seriam usados como bandejas de café caras, então acho que pode não ser prudente descartar as moedas virtuais" Diretora administrativa do FMI, Christine Lagarde em setembro de 2017

O documento do FMI também detalha como os bancos devem responder com pressão competitiva e eles devem continuar a solidificar moedas fiduciárias como uma “unidade de conta”. As criptomoedas, no entanto, têm dificuldade em se tornar uma unidade padrão de conta que o FMI observa e isso porque “o valuation é amplamente baseado em crenças que não estão bem ancoradas”, o que tornou a maioria das moedas digitais bastante voláteis.

O documento menciona que os bancos centrais poderiam contrabalancear com suas próprias moedas digitais. Ele continua dizendo que os bancos têm muitos desafios e oportunidades nesta era digital, mas eles precisam reconquistar a confiança do público para permanecerem relevantes. "Eles podem permanecer relevantes ao fornecer unidades de conta mais estáveis do que as criptomoedas e tornando o dinheiro do banco central atrativo como um meio de troca na economia digital", conclui o documento do FMI.

Aviso Legal. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: news.bitcoin


COMENTÁRIOS