O que são os NFTs e por que estão fazendo tanto sucesso?

17/07/2021


Ao pensarmos em criptoativos, uma das principais características é o fato de serem intercambiáveis, além de fracionáveis.

No entanto, quando falamos de NFT (non-fungible tokens), são criptoativos únicos, isto é, possuem uma chave de identificação que os diferencia. Embora o registro no blockchain seja idêntico aos demais tokens, como Chainlink ou PAX Gold, seu funcionamento, na prática, é diferente.

 

O que é NFT, ou token não-fungível?

Um token é um criptoativo, um bem digital que só existe dentro de um banco de dados compartilhado, usualmente, uma rede blockchain.

E o fato de ser não-fungível quer dizer que não pode ser intercambiável nem dividido.

Bens fungíveis, como por exemplo, soja, petróleo e dinheiro em espécie, podem ser substituídos sem perda de valor. Já um ingresso para um jogo, com lugar marcado, não. Quem pagou pelo assento específico, o fez por alguma razão, e nem sempre irá aceitar sua troca.

De maneira análoga, não é possível fracionar um ingresso de um jogo, pois só um detentor poderá ingressar no estádio. São estas características que tornam o ativo não-fungível.

Em resumo, é importante entender que o token pode representar um bem real, digamos, a posse de um imóvel, mas também pode ser algo integralmente virtual ou digital, como o direito sobre uma arte digital.

Exemplos de NFT na vida real:

NBA moments

É provável que você conheça cards de colecionadores, sejam eles de esportes, Pokemon, ou qualquer assunto.

Sem entrar no mérito de valor, já que quase tudo é subjetivo, especialmente em itens que despertam paixão, existe um mercado interessado em exibir e comercializar estes itens.

Pensando neste mercado, a NBA lançou o Top Shots, um mercado de itens virtuais, que incluem fotos e vídeos das melhores jogadas. No lançamento, são oferecidos pacotes por um preço fixo, contendo itens sortidos.

Embora os vídeos e imagens sejam públicos e qualquer um consiga assisti-los, a NBA, proprietária da marca, sanciona um certo número de “cópias digitais certificadas”, através de um NFT.

Num segundo momento, cada detentor desse card, é livre para colecionar ou colocar para revenda na própria plataforma, pelo valor que desejar. O detentor, se assim desejar, não é obrigado a exibir sua identificação para os demais participantes.

 

Mas afinal, quem é o verdadeiro dono do bem virtual?

Ao comprar um NFT, digamos, de uma obra de arte digital, você está comprando o direito de uma “cópia certificada”, reconhecida pelo artista. Desse modo, o NFT é um direito de um bem digital, registrado e com identificação única em um blockchain.

Portanto, Isso permite que o autor, se assim desejar, crie cópias numeradas de uma mesma obra. Cabe ressaltar que ao comprar um NFT, exceto quando explícito no acordo e registro, usualmente não existe a negociação do direito autoral. O detentor desse NFT não irá receber nenhum fluxo de caixa, nem tampouco pode criar outros produtos utilizando a arte.

Atualmente, existem mais de 200 protocolos de NFTs, entre elas: 

Terra Virtua (TVK):

É um ecossistema de colecionáveis digitais que visa fornecer a seus usuários “uma experiência sensorial aprofundada” ao apresentar colecionáveis digitais em um mundo multiplataformas de realidade virtual e aumentada. É um conceito parecido com a integração de realidade em jogos pelo Pokemon Go com o mundo real.

Além de oferecer um mercado para uma gama interativa de colecionáveis digitais exclusivos e licenciados, Terra Virtua está lançando um ecossistema completo onde colecionadores podem armazenar, apresentar, interagir e mostrar sua coleção por meio de um aplicativo, que permite que usuários fotografem ou filmem a si mesmos interagindo com seu colecionável em um ambiente do mundo real.

Gary Bracey, CEO da Terra Virtua, afirma:

"A principal missão da Terra Virtua é levar NFTs ao mercado em massa.

A experiência de videogames da equipe principal nos dá um forte foco na experiência (UX) e interface de usuário (UI) e, ao tornarmos o processo ininterrupto e atrativo, desejamos popularizar o mundo dos colecionáveis digitais e interativos."

Enjin (ENJ):

Em 2009, foi lançada a Enjin Network, uma plataforma de jogos que agora possui mais de 20 milhões de usuários. Em 2017, Enjin começou a criar um conjunto de produtos em blockchain que permitem que usuários gerenciem, explorem e integrem criptoativos de maneira mais fácil.

Em vez de usar um padrão ERC-721 para NFT, Witek Radomski, cofundador e diretor de tecnologia da Enjin, desenvolveu o padrão ERC-1155 que irá definir tokens de videogames no blockchain Ethereum.

O token Enjin alimenta mais de um bilhão de criptoativos, sendo que o ERC-1155 não serve apenas para jogos. Sua aplicação irá beneficiar inúmeras indústrias, desde a do entretenimento e de finanças ao design industrial, inteligência artificial e mais.

As ferramentas da Enjin permitem que desenvolvedores e estúdios da Enjin usem criptoativos tokenizados como parte de sua aquisição, retenção, seu engajamento e estratégias de monetização.

 

O futuro é dos NFTs

Esses projetos se destacam porque seus usuários não têm de interagir com a tecnologia oculta do blockchain, mas ainda assim podem se beneficiar bastante da tecnologia, tornando tais projetos prontos para a adesão convencional.

No futuro, os NFTs irão abrir a porta para a digitalização de todos os direitos de propriedade intelectual e tokenização de todos os ativos.

 

Por: Sophia Müller

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.


COMENTÁRIOS