Whole Foods, de propriedade da Amazon, agora está aceitando Bitcoin

13/05/2019


Não há falta de catalisadores possíveis por trás do aumento do preço do Bitcoin. Agora podemos adicionar também a Amazon de Jeff Bezos à esta lista. A Whole Foods, que é de propriedade da gigante do e-commerce, está aceitando Bitcoin como método de pagamento. O desenvolvimento alucinante foi possível graças a um acordo entre a startup de pagamentos Flexa e a Gemini, exchange de criptomoedas lançada por Tyler e Cameron Winklevoss.

Os usuários só precisam baixar um aplicativo apelidado de Spedn e fazer compras diárias usando criptomoedas, incluindo Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash e Gemini Dollar (GUSD). Considerando que GUSD é a stablecoin da exchange dos gêmeos Winklevoss, não é surpresa que esteja sendo suportado também. O GUSD deve introduzir alguma estabilidade nos pagamentos criptográficos, dada a natureza volátil do preço do Bitcoin. Como esperam os cripto investidores, não há taxas ou marcações ocultas, então os consumidores serão incentivados a usar o aplicativo.

Tyler Winklevoss disse à Fortune:

“A ideia de viver nas criptomoedas é agora uma realidade. Você pode fazer isso agora. Para o consumidor, significa estar consciente das criptomoedas. É como ser ecológico.

Todo mundo sabe que os clientes da Whole Foods já estão “sendo ecológicos”, já que a loja não usa mais sacolas plásticas. Espere até que compradores fora da comunidade cripto aprendam sobre o Bitcoin.

 

O marketplace da Amazon pode ser o próximo

 

Tyler e Cameron Winklevoss têm falado sobre esse segredo, mas agora nada impede a adoção em larga escala do Bitcoin.

As parcerias Flexa/Gemini/varejista são, na verdade, um reflexo do melhor dos dois mundos. A tecnologia se baseia na infraestrutura de pagamentos existente, usada para aceitar pagamentos digitais, como o Apple Pay, por exemplo. Tudo o que os varejistas precisam fazer é ajustar seus scanners para identificar os pagamentos do aplicativo Spedn. Os clientes já estão familiarizados com o recurso "tocar e usar" em seus dispositivos móveis, por isso não há nada de novo para eles fazerem. Não há passos adicionais para o comprador, o que pode retardar o processo. Quanto ao comerciante, eles podem aceitar o pagamento em criptomoedas ou convertê-lo em moeda fiduciária.

Para o ecossistema, o anúncio é o que todos esperavam. Isso significa que, se a Whole Foods puder aceitar Bitcoins e outras criptomoedas, teoricamente, todo o mercado da Amazon pode integrar a infraestrutura para fazer o mesmo, aparentemente com o Flexa. Nos EUA, os clientes Amazon Prime teriam gastado uma média de US $1.300 por ano no mercado de comércio eletrônico, contra US $700 para não-membros.

Além da Whole Foods, a iniciativa se estende a outros comerciantes, incluindo a Crate and Barrel e a varejista de ponta Nordstrom. A rede Flexa é formada por mais de 30.000 lojas e, finalmente, empurrando as criptomoedas para o centro das atenções para micro-compras, como uma xícara de café, pizza ou eletrônicos.



O ciclo virtuoso de adoção da criptomoeda tradicional começou oficialmente. O preço do Bitcoin está atualmente em US $7.780, um aumento diário de quase 13%.

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: ccn


COMENTÁRIOS