Estudo expõe como Rússia, Irã e China estão se armando nas criptomoedas

15/07/2019


Não é segredo que os inimigos dos Estados Unidos - incluindo Venezuela, Irã, Rússia e China - estão experimentando tecnologias de criptomoedas à medida que tentam tornar suas economias imunes a sanções paralisantes dos EUA.

No entanto, um novo estudo da Fundação para a Defesa das Democracias (FDD) expõe o quanto esses países estão dispostos a ir para tornar isso uma realidade.

“Durante décadas, os adversários dos EUA têm tentado escapar e minar este poder, mas não houve maneira de conduzir um comércio internacional significativo sem passar pelos canos do sistema financeiro global liderado pelos EUA. Agora, no entanto, novos dutos estão sendo construídos”, afirmou a Fundação para a Defesa das Democracias (FDD).

Irã, Venezuela, Rússia e China - quatro inimigos dos EUA afetados ou constantemente sob risco de sanções dos EUA - vão "além da mera evasão de sanções" e desenvolvem sistemas alternativos de pagamentos globais fora da influência dos Estados Unidos via tecnologia blockchain e criptomoedas, afirma o estudo.

De acordo com o FDD - enquanto eles estão explorando o desenvolvimento de sua própria criptomoeda apoiada pelo Estado - a China, o Irã e a Venezuela também restringiram o acesso às criptomoedas públicas que estão atualmente disponíveis no mercado.

“A Rússia, o Irã e a Venezuela iniciaram experimentos de tecnologia blockchain que seus líderes pintam como ferramentas para compensar o poder coercitivo financeiro dos EUA e aumentar a resistência às sanções. A China também é cautelosa em relação ao poder financeiro dos EUA e à ameaça sempre presente de sanções contra autoridades chinesas”, afirmaram os pesquisadores.

 

A bagunça da Venezuela serve como um estudo de caso

 

Como o governo de Nicolas Maduro não conseguiu construir a infraestrutura econômica e técnica para a criptomoeda apoiada pelo Estado da Venezuela, a Petro não é útil nem para os cidadãos do país sul-americano nem para seus parceiros comerciais, argumenta a FDD.

Em vez disso, os pesquisadores consideraram a Petro mais um "esforço de propaganda do que uma realização técnica ou financeira".

No entanto, o caso da Venezuela com sua criptomoeda apoiada pelo governo deveria servir de exemplo para outros inimigos dos EUA que planejam desenvolver sua própria moeda digital, de acordo com o FDD.

“A implementação de má qualidade da Petro forneceu pouco mais que um veículo para a propaganda do regime do que qualquer utilidade técnica ou econômica. E, no entanto, o Irã, a Rússia e até mesmo a China provavelmente aprenderão com os erros da Venezuela.”

 

Criptomoeda regional da Rússia, alternativa Swift do Irã e pesquisa blockchain na China

 

Embora a Venezuela não tenha conseguido levar adiante sua chamada “criptomoeda”, os outros três adversários dos EUA estão trabalhando duro para criar suas próprias economias baseadas em blockchain e criptomoedas.

De acordo com o FDD, a Rússia procura diminuir o impacto das sanções dos EUA, concentrando-se na tecnologia blockchain e incluindo-a como uma meta nacional de segurança e economia a longo prazo.

Com o objetivo de facilitar o comércio e o investimento fora do alcance dos Estados Unidos, as instituições financeiras russas estão executando vários pilotos blockchain. O Ministério das Finanças do país também planeja desenvolver uma criptomoeda regional com outros membros da União Econômica da Eurásia (EAEU).

Como o Irã foi duramente atingido por sanções - levando sua exportação de petróleo bruto a uma baixa histórica - o governo do país está procurando criar uma alternativa ao SWIFT, afirmou o FDD.

Segundo o estudo, o Irã está investindo pesado no desenvolvimento de blockchain com planos de criar uma criptomoeda nacional, que seria usada para liquidação de transações domésticas.

Outra criptomoeda está em andamento no Irã pela startup Kuknos, na qual a organização busca desenvolver uma moeda digital lastreada em ouro chamada Peyman, que quatro bancos iranianos usariam inicialmente para separar ativos no mundo fiduciário.

Com o objetivo de neutralizar o USD como uma moeda de reserva global e “deslocar” os EUA no sistema financeiro global, a China dedica grande parte de seus recursos para  pesquisas em blockchain, bem como desenvolver uma criptomoeda nacional apoiada pelo Estado.

"De todos os adversários dos EUA, a China está em melhor posição para desenvolver uma infraestrutura de moeda digital baseada em blockchain que possa competir com o sistema financeiro baseado no dólar."

Além deste desenvolvimento de criptomoeda, o Banco Popular da China (PBOC) e as autoridades chinesas estão pesquisando o uso do blockchain para projetos de crédito, finanças e imóveis, bem como uma plataforma de negociação de títulos baseada em blockchain.

Com a Venezuela, o Irã, a Rússia e a China construindo em blockchain a sua “resistência às sanções”, é crucial que os EUA estejam em posição de liderança durante a “corrida cripto” internacional, argumentam os pesquisadores.

Eles dizem que os Estados Unidos precisam garantir que os projetos de blockchain sejam desenvolvidos de forma a “ampliar a transparência, a liberdade e a prosperidade do último século”.

"O caminho a seguir não é apenas considerar as ameaças provenientes de vários tipos de tecnologia financeira, mas pensar de forma mais criativa sobre como o sistema financeiro global deve se adaptar à mudança tecnológica."

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: ccn


COMENTÁRIOS
Criação