Louis Vuitton registra patente para e-commerce em blockchain no Brasil

11/06/2020


A gigante francesa de moda de luxo Louis Vuitton registrou uma patente no Brasil para um e-commerce em blockchain, segundo o portal Mercado e Consumo.

A Louis Vuitton registrou a patente junto ao Instututo Nacional de Propriedade Industrial (INPI), apenas alguns meses depois de também ter registrado um serviço de criptomoedas no país através do mesmo órgão.

A partir do registro, abre-se um prazo de 60 dias para que algum interessado apresente algum ponto de conflito para o pedido de patente. Caso isso não ocorra, o registro é concedido à empresa.

O pedido foi depositado em outubro de 2019 mas só registrado e divulgado nesta semana na Revista de Propriedade Industrial. O registro está em nome da rede blockchain da LV, a Aura, que tem como objetivo atestar a autenticidade dos produtos da marca de luxo.

Em março de 2020, a empresa registrou outro pedido para a criação de produtos de criptomoedas e serviços financeiros no país.

Empresas do segmento de produtos de luxo têm recorrido ao blockchain para levar segurança e garantia de autenticidade a seus clientes, que pagam muito por este tipo de produto.

A plataforma Aura é da matriz da Louis Vuitton, a LVMH, em parceria com a Consensys e a Microsoft.

A Aura, que é baseada no blockchain Ethereum e utiliza a Microsoft Azure, ainda oferece informações éticas e ambientais, instruções para atendimento ao produto e serviços de garantia.

A plataforma blockchain é usada para verificação dos artigos de luxo do conglomerado, que além da LV também abriga outras marcas icônicas da alta moda como a Christian Dior.

Fonte: cointelegraph

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.


COMENTÁRIOS