Maior exchange de criptomoedas do sudeste da Ásia tem 4 milhões de novos usuários em 2018

06/09/2018


Ao longo do ano passado, a Coins, a maior exchange de criptomoedas do sudeste Asiático, mais do que triplicou sua base de usuários de 1,5 milhões para mais de 5 milhões, aumentando em 4 milhões de usuários durante uma correção de mercado.

Em junho foi noticiado que a Coins se tornou a primeira startup de criptomoedas nas Filipinas e em todo o sudeste da Ásia a atingir 5 milhões de usuários. Desde então, a empresa tem como objetivo expandir em outros mercados da região, incluindo a Malásia e a Tailândia, estabelecendo uma infraestrutura de corretagem de criptomoedas altamente esperada em países que não possuem exchanges e plataformas de negociação.

O setor financeiro das Filipinas é estruturalmente diferente em comparação com a maioria dos outros países. A grande maioria dos trabalhadores e profissionais filipinos não possuem conta bancária e não dependem de serviços bancários para enviar e receber dinheiro.

Em vez disso, a maioria depende de redes de remessas locais, como as casas de penhores Lhuillier e Palawan, que operam mais de 10.000 agências em todo o país. Nos pontos de remessa, os residentes podem retirar e enviar dinheiro, pagar contas de serviços públicos, adquirir microsseguros e receber empréstimos.

A equipe da Coins.ph, que supervisiona o mercado filipino da Coins, afirmou que sua parceria com os 2.500 estabelecimentos da Palawan simplificou o processo de adoção do mercado local.

Ron Hose, CEO da Coins, disse:

“Pagamentos não são um negócio fácil. Você tem que acertar tudo - seu produto, seu marketing, sua tecnologia. Você precisa garantir que os fundos do cliente estão seguros, que está seguindo os regulamentos e a conformidade, que alguém pode ajudar os usuários se eles tiverem um problema.”

Desde o seu lançamento em 2014, a Coins permaneceu fiel às suas raízes de apoiar as pessoas órfãs de sistema bancário. No Coins.ph, Coins.my e Coins.th, é possível que os usuários comprem e vendam criptomoedas como Bitcoin, Ethereum e Bitcoin Cash, pagar contas de serviços públicos e de cartão de crédito com criptomoedas, e sacar fundos armazenados em ativos digitais via bancos locais e pontos de remessa.

Ron explicou ainda que a Coins se concentrou em estabelecer uma grande base de clientes com credibilidade e confiança. No início deste ano, o governo das Filipinas divulgou sua intenção de facilitar o crescimento de startups de criptomoedas locais, oferecendo vários benefícios fiscais e regalias.

Em julho, foi divulgado que a Zona Econômica de Cagayan decidiu emitir 25 licenças de exchange de criptomoedas, depois que o banco central do país reconheceu as criptomoedas como um método alternativo apropriado de remessa e o setor de blockchain como uma indústria legítima.

De acordo com Ron, o estabelecimento de marcos regulatórios positivos pelo governo aumentará a competição no mercado, que a empresa percebe como um elemento positivo em qualquer indústria em rápido crescimento.

“Minhas perguntas vão girar em torno de decisões que as pessoas estão fazendo e explicações sobre o que está impulsionando nossos números para cima ou para baixo. Se você quer que seus números subam, você tem que perceber que não vai ser em linha reta. Nós estabelecemos uma grande base de clientes, temos credibilidade e confiança. Mais competição é boa para todos. A única coisa que tenho medo é o status quo.”

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: ccn


COMENTÁRIOS