Ministro das Finanças do Zimbábue diz que criptomoedas podem resolver a escassez de dinheiro do Zimbábue

17/09/2018


Menos de uma quinzena desde sua nomeação como Ministro das Finanças do Zimbábue, o novo chefe do tesouro está potencialmente colocando-se em rota de colisão com o banco central do país com sua postura pró-criptomoedas.

De acordo com Mthuli Ncube, recém-nomeado Ministro das Finanças do Zimbábue, as criptomoedas podem ajudar o país do sul da África a resolver a crise financeira que tem ocorrido nos últimos dois anos. Para a realização disto, Ncube prometeu incentivar o Banco Central do Zimbábue (RBZ) a criar uma divisão de criptomoedas que será encarregada de ajudar o banco do país a desenvolver uma melhor compreensão dos ativos digitais, informou o IT Web África.

Ncube citou o exemplo da Suíça, onde o banco central do país europeu adotou uma postura mais progressista sobre o Bitcoin e outras criptomoedas, dizendo que o Zimbábue deveria copiar esse exemplo.

“Pode-se pagar por viagens usando Bitcoin na Suíça. Então, se esses países puderam ver valor nisso e para onde estão indo, também devemos prestar atenção. Temos jovens inovadores, então a ideia não deveria ser parar com isso e dizer não, mas sim os reguladores devem investir em alcançá-los e encontrar maneiras de entendê-los, então depois você os regula porque agora você os entende.”

Com os bancos impondo um limite às quantias que os depositantes podem retirar, a severa escassez de dinheiro no Zimbábue foi agravada pelo fato de que os poupadores tendem a manter seu dinheiro em vez de confiar-lhe as instituições financeiras. E à medida que a economia se torna mais dolarizada, a escassez de dinheiro fica ainda mais exacerbada, com o resultado de que as reservas em moeda estrangeira também estão diminuindo.

Se Ncube for capaz de convencer o RBZ a estabelecer uma unidade de criptomoedas, será uma mudança de 180 graus para o banco central do Zimbábue, que adotou uma postura anti-criptomoedas. Em maio deste ano, por exemplo, os bancos do país foram proibidos de processar transações de criptomoedas para investidores e negociantes da classe nascente, citando riscos e perigos associados a eles, incluindo seu uso em lavagem de dinheiro e outras atividades ilegais.

“Além disso, as criptomoedas podem ser usadas para facilitar a evasão fiscal, bem como a externalização de fundos, violando as leis de um país”, escreveu o RBZ em um comunicado às instituições financeiras na época.

Embora um Supremo Tribunal da capital do país tenha posteriormente revogado a proibição, a incerteza regulatória forçou algumas das exchanges de criptomoedas como a Golix a explorar outros mercados na África para evitar o excesso de confiança no mercado do Zimbábue.

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: ccn


COMENTÁRIOS