Analista prevê alta demanda institucional após o coronavírus

12/05/2020


A pandemia do coronavírus levou a uma crise econômica sem precedentes, com o FMI chamando-a de a pior recessão desde a Grande Depressão. As empresas estão perdendo suas estimativas de ganhos e muitos investimentos tradicionais foram afetados. A crise faz com que os investidores se esforcem para encontrar ativos seguros para proteção, e agora mais pessoas estão perguntando se as criptomoedas, como o Bitcoin, são um bom investimento.

O CEO do Bitcoin Lab, Tetsuyuki Oishi, analista de criptomoedas convidado da empresa financeira japonesa Fisco, compartilhou três razões no início desta semana, pelas quais vê uma demanda considerável de investidores institucionais por criptomoedas após a pandemia.

Em primeiro lugar, ele disse que o mercado de ações pode perder sua atratividade após a crise do coronavírus devido à diminuição da demanda por produtos de muitas empresas, resultando em declínios de longo prazo nos lucros corporativos. Ele elaborou:

O maior consenso é que é difícil uma recuperação em forma de V dos preços das ações. Portanto, os investidores precisam procurar opções de investimento que não sejam ações. Os investidores não podem simplesmente colocar tudo em dinheiro.”

Em seguida, o analista afirmou que as criptomoedas são atraentes porque ainda há muito pouca correlação entre elas e os investimentos tradicionais. Ele explicou: “Durante a queda, é claro, todos os ativos foram vendidos, tanto o ouro quanto os Bitcoins foram vendidos, mas foram recuperados a partir de então… Como resultado, há mais espaço para incorporar ativos que terão pouca correlação com a sociedade futura incerta.”

Outro motivo pelo qual os investidores estarão mais interessados em criptomoedas em comparação com outros tipos de ativos é que "entre esses ativos não correlacionados, o que a maioria dos investidores ainda não incorporou [em suas carteiras] foram as criptomoedas, especialmente o Bitcoin", opinou Oishi.

Com relação ao nível de interesse por criptomoedas, o analista citou o relatório de ganhos do primeiro trimestre de 2020 da Grayscale Investments, mostrando entradas de capital totalizando US $503,7 milhões em produtos de investimento em criptomoedas. "Esta é a maior escala de todos os tempos", escreveu ele, acrescentando que US $388,9 milhões foram para o Grayscale Bitcoin Trust. Além disso, 88% de todos os investimentos realizados no trimestre foram de investidores institucionais. Oishi acrescentou: “É uma boa notícia que o interesse dos investidores em moedas virtuais não tenha diminuído”, concluindo que o interesse dos investidores institucionais deverá continuar após a crise do coronavírus.

Especialistas financeiros recomendam Bitcoin em carteiras

Antes da disseminação do coronavírus e da subsequente turbulência econômica, os especialistas financeiros já recomendavam alguma exposição às criptomoedas nas carteiras de investimentos.

O JPMorgan, por exemplo, escreveu em um relatório de fevereiro que "o mercado de criptomoedas continua amadurecendo e a participação de investidores institucionais neste mercado agora é significativa". Prevendo que "os títulos podem perder sua capacidade de proteger as carteiras de ações nos próximos anos", a empresa sugeriu que "mercados menos restritos como o iene e o ouro deveriam fazer parte de hedges de longo prazo", elaborando:

As criptomoedas também devem ser adicionadas a esta lista ... porque elas podem proteger exclusivamente um ambiente ainda invisível, que implica perda simultânea de confiança na moeda nacional e em seu sistema de pagamentos.”

Além disso, vários especialistas em finanças recomendam colocar Bitcoin em carteiras de investimento. O presidente da Virgin Galactic, Chamath Palihapitiya, atesta há muito tempo a alocação de pelo menos 1% das carteiras em Bitcoin. Além disso, Mike Novogratz, presidente da Galaxy Digital, destacou que, com toda a impressão de dinheiro que os Bancos Centrais estão fazendo, é uma boa hora para comprar Bitcoin.


COMENTÁRIOS