Caso real na Venezuela mostra maior potencial do Bitcoin em relação ao ouro em uma economia hiperinflada

30/10/2019


Um homem venezuelano usou a maior parte de suas economias de Bitcoin para pagar os custos médicos do nascimento de seu filho. Muitos consideram os cuidados de saúde adequados um direito humano universal, mas apenas poucos num país cheio de inflação podem realmente comprá-los.

José Rafael Peña, engenheiro de materiais de Caracas, descreveu o processo de pagamento que levou um dia para liberar e deu ao filho o melhor começo possível em uma nova vida. Também reforçou o caso do Bitcoin como um meio de troca superior ao ouro:

“Mas contar essa história me fez perceber o quão importante o Bitcoin tem sido na minha própria vida. Permitiu-me combater a hiperinflação da Venezuela, acumular algumas economias e pagar grandes somas em questão de horas, sem ter que realmente viajar para qualquer lugar. Imagine o que seria necessário para vender essa quantidade em ouro, por exemplo.”

Peña conseguiu enviar sua esposa para uma clínica privada na capital graças a um salário que foi pago exclusivamente em Bitcoin nos últimos dois anos.

O salário mínimo na Venezuela é de cerca de US $16 por mês. Isso deixa as futuras mães com sérios problemas financeiros, já que clínicas decentes podem custar mais de US $1.500.

Peña usou o LocalBitcoins para trocar seu Bitcoin por bolívares. O processo foi complicado, principalmente devido à burocracia dos bancos venezuelanos.

Venezuelanos ainda dependem muito do LocalBitcoins para troca de criptomoedas

 

Levou apenas um dia, o que Peña acredita que provavelmente seria impossível com o ouro. O debate sobre o ouro vs o Bitcoin está se aquecendo nos últimos anos. O metal amarelo ficou em segundo plano com o Bitcoin, graças ao desempenho maciço da principal criptomoeda.

O especialista em ouro, Peter Schiff, continua a apoiar o ouro como fonte alternativa de dinheiro, mesmo quando os habitantes de países como a Venezuela dizem o contrário.

 

E quanto ao Bitcoin vs o dólar então?

Bem, o júri ainda está de olho nisso. Apesar de suas características únicas, Peña argumenta que o Bitcoin não salvará a Venezuela de sua atual crise. De fato, os habitantes locais ainda preferem precificar seus produtos e serviços em dólares.

Graças à ameaça persistente de golpes de criptomoedas (scams) e à força percebida do dólar, os venezuelanos ainda não estão prontos para fazer a troca.

Não é fácil obter dólares. Peña admite prontamente que comprar Bitcoin é mais fácil, pelo menos para ele.

O Bitcoin ainda não está pronto para adoção em massa e pode não ser tecnicamente um meio de troca até que os prestadores de serviços o aceitem. Enquanto isso, no entanto, certamente está se saindo muito melhor do que um ativo tão antigo quanto a própria terra.

“Muitas vezes vejo pessoas nas mídias sociais dizendo que o Bitcoin não tem uso real além da especulação do mercado... países como a Venezuela, onde a economia é disfuncional, mostram o maior potencial do Bitcoin. A história do nascimento do meu filho é uma ilustração disso.”

 

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: ccn


COMENTÁRIOS