Os 5 maiores scams de criptomoedas

19/04/2018


As criptomoedas revolucionaram a maneira como o mundo olha para transações, mas também facilitaram alguns scams monumentais nos últimos nove anos.

O sucesso do Bitcoin e de algumas altcoins impulsionaram uma indústria que está incorporando a tecnologia Blockchain de várias maneiras inovadoras.

Enquanto as mentes mais inteligentes criaram algumas empresas que mudam o jogo apoiadas pelo poder do Blockchain e das criptomoedas, mentes abomináveis também entraram na onda, enganando investidores em elaboradas fraudes.

Desde o lançamento do Bitcoin em 2009, as pessoas ficaram cada vez mais enamoradas com a ideia da tecnologia Blockchain. Com o tempo, desenvolvedores e mentes de negócios começaram a criar suas próprias soluções com essa tecnologia de contabilidade descentralizada.

Isto levou ao desenvolvimento da Ethereum e outras moedas virtuais, e os primeiros responsáveis por um boom nas ofertas iniciais de moedas (ICOs) em 2017.

Uma ICO é essencialmente uma rodada de descobertas públicas e é tipicamente lançada por uma startup de tecnologia que vende tokens internos para investidores em potencial, esses investidores compram tokens na esperança de que a empresa lance seu produto e os tokens se valorizem.

Uma ICO não é diferente de uma oferta pública inicial (IPO), que é quando uma empresa tradicional disponibiliza suas ações para compra ao público em geral. De fato, é dai que deriva o nome ICO.

Dado que não há promessas de que uma ICO cumprirá seus planos futuros, aos investidores resta ter fé quando se separam de seu dinheiro. Isso, obviamente, levou a uma infinidade de scams se passando como ICOs, que deixaram milhares de investidores "zerados".

Pincoin e iFan

O mais recente golpe de grande escala de ICO chegou às manchetes em abril. Acredita- se que duas ICOs, administradas pela mesma empresa que opera no Vietnã, tenha enganado cerca de 32.000 investidores em um total de $660 milhões.

A empresa em questão, Modern Tech, lotou seus escritórios na cidade de Ho Chi Minh no mês passado, tirando dinheiro dos investidores. Acredita-se que o golpe seja o maior scam da história das ICOs.

Diversos investidores protestaram do lado de fora dos escritórios vazios da cidade em 8 de abril, depois que a empresa se recusou a processar saques em dinheiro. A administração da cidade ordenou à polícia que investigasse a fraude.

Ambas as ICOs foram classificadas como esquemas de marketing multinível. A iFan foi anunciada como uma plataforma de mídia social para celebridades para promover seu conteúdo para os fãs. Enquanto isso, a Pincoin prometia retornos mensais de 40% sobre os investimentos realizados. O projeto afirmava estar construindo uma plataforma online que engloba uma rede de anúncios, um portal de leilões e investimentos e um mercado peer-to- peer, construído sobre a tecnologia Blockchain.

OneCoin

A OneCoin tem sido objeto de várias investigações nos últimos 18 meses. Oficialmente rotulada como um "esquema ponzi claro" na Índia em julho de 2017, foi multada em 2,5 milhões de euros pelas autoridades italianas dois meses depois.

A OneCoin claramente não é uma criptomoeda descentralizada legítima, não tem um livro de registro público e seus escritórios búlgaros foram invadidos em janeiro com servidores confiscados pelas autoridades, enquanto investigações internacionais e processos judiciais continuam contra a empresa.

Escândalos em países ao redor do mundo resumiram o fato de que a OneCoin é de fato uma grande fraude.

Em 2016, mais de $30 milhões de dólares foram apreendidos pelas autoridades chinesas investigando a operação da OneCoin no país.

A empresa alegou ter sido licenciada oficialmente no Vietnã no ano passado também, mas isso foi mais tarde refutado pelo governo do país. Mais de cinco países alertaram investidores sobre os riscos envolvidos para aqueles que optam por investir na empresa, incluindo Tailândia, Croácia, Bulgária, Finlândia e Noruega.

Bitconnect

Há muito tempo acusado de ser um esquema ponzi, a Bitconnect descontinuou as operações em janeiro na sequência de uma ordem de dois reguladores financeiros americanos.

Os usuários trocaram Bitcoin por Bitconnect Coin (BCC) na plataforma Bitconnect, lançada em janeiro de 2017, e foram prometidos retornos astronômicos sobre seus investimentos.

Além disso, a empresa administrava um programa de empréstimos, em que os usuários emprestavam o BCC a outros usuários para gerar juros, dependendo de quanto BCC eles emprestaram na plataforma. Havia também um sistema de referência típico de esquema ponzi.

No entanto, a criptomoeda não agradou quando foram encerradas as operações com seu esquema de empréstimo.

Desde então, vários usuários lançaram uma ação coletiva contra a Bitconnect para recuperar os fundos perdidos - totalizando $700.000.

Plexcoin

Esta ICO em particular foi cortada pela raiz em dezembro de 2017 depois de ser rotulada como um esquema típico de retorno sobre investimento ponzi. A Plexcorp estava prometendo aos investidores mais de 1.300% de retorno sobre o investimento por mês antes que a SEC dos EUA ordenasse que a empresa parasse as operações.

Mais de $15 milhões foram levantados durante a ICO da Plexcoin. Felizmente, todos os fundos foram congelados pela SEC e o fundador Dominic Lacroix foi preso.

Curiosamente, foi a primeira vez que a SEC interviu e acusou uma ICO através de sua unidade de crimes cibernéticos. As ofertas da Plexcoin também foram classificadas como títulos, daí a decisão da SEC de invtervir.

Centratech

Tendo sido apoiada pelos gostos do pugilista superstar Floyd Mayweather e DJ Khaled, a Centratech foi empurrada para o centro das atenções por seu suposto serviço de cartão de débito Visa e MasterCard que permitiria aos usuários converter criptomoedas em fiat.

Dois dos fundadores foram detidos por acusações de fraude relacionadas à ICO, que levantaram cerca de $32 milhões, segundo a Ars Technica.

A SEC destacou que, para promover a ICO, Sohrab “Sam” Sharma e Robert Farkas criaram executivos fictícios com biografias impressionantes, postaram materiais de marketing falsos ou enganosos no site da Centratech e pagaram celebridades para divulgar a ICO nas redes sociais.

O regulador dos EUA está procurando uma medida liminar permanente, e pretende forçar Sharma e Farkas a devolver os fundos roubados com juros. A dupla também será impedida de atuar como empresa ou diretoria e será impedida de participar de quaisquer ofertas de valores mobiliários.

Os investidores precisam estar atentos

Como esses cinco golpes mostram, os fraudadores irão a extremos extraordinários para enganar os investidores desavisados. Isso destaca a necessidade dos investidores fazerem a devida pesquisa quando se trata de decisões de investimento.

O investidor americano e fundador da Skill Incubator, Chris Dunn, comentou sobre o colapso da Pincoin e da iFan, citando que, em geral, a comunidade de criptomoedas precisa se tornar mais criteriosa em relação às novas ICOs. Se não, os governos em todo o mundo provavelmente tomarão posturas mais severas em relação às criptomoedas.

“A comunidade cripto precisa promover práticas de educação financeira e de investimento ético, caso contrário os governos irão regulamentar e sufocar a inovação real. A maneira mais eficaz de proteger os investidores é através da educação. Os investidores precisam aprender a avaliar oportunidades de investimento, identificar rapidamente fraudes e saber como gerenciar riscos.”

Infelizmente, scams como esses são uma mancha para as criptomoedas em geral, fornecem um ponto de foco para os céticos atacarem as criptomoedas, quando na verdade esses golpes são qualquer coisa, menos ICOs legítimas e criptomoedas.

O grande público e as autoridades precisam evitar de assumir que as ICOs jogam todas no mesmo time. Sem dúvida, existem criminosos que procuram tirar proveito do boom de uma nova tecnologia. No entanto, isso não tira o excelente trabalho de algumas das mentes mais brilhantes da indústria de TI.


COMENTÁRIOS