Construção de fazenda de mineração de Bitcoin de 36 megawatts no Marrocos inicia em janeiro de 2019

19/09/2018


Uma empresa de mineração de Bitcoin formada a partir de uma empresa privada dos EUA planeja começar a construir uma fazenda de 36 megawatts no Marrocos a partir de janeiro do ano que vem.

A Soluna, produto da Brookstone Partners, sediada em Nova York, pretende alavancar as leis locais vendendo pelo menos 20% de sua produção de eletricidade de volta para o governo marroquino.

O esquema, conhecido como acordo de compra de energia (PPA), permitirá à empresa estabelecer uma posição na região com a possibilidade de expandir as vendas para além da fronteira nos próximos anos, explicou o CEO John Belizaire.

"O Marrocos tem uma lei que garante efetivamente um PPA para os fornecedores de energia. Vamos começar com isso e crescer a partir daí."

Em meio a uma disputa fervorosa em todo o mundo para usar métodos baratos de geração de eletricidade para mineração de Bitcoin, a Soluna ainda espera que as leis locais mudem para permitir que mais do que os atuais 20 por cento da energia sejam vendidos.

“Dependendo da nossa capacidade futura, podemos nos engajar com o maior tomador comercial no país e além para comprar nossa energia. Isso exigirá uma mudança no marco legal."

O Marrocos se posicionou como uma das poucas jurisdições em todo o mundo que formalmente proibiu o pagamento com criptomoedas.

A medida aconteceu em novembro do ano passado e, desde então, vem ocorrendo movimentos semelhantes na Índia, no Irã e em outros países. Sendo que esse último tenha insinuando que pode reverter sua decisão neste mês.

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: cointelegraph


COMENTÁRIOS