Investidor diz que descartar as criptomoedas é como descartar a Internet em 1993

31/10/2018


Benedict Evans, sócio-geral da Andreessen Horowitz (A16Z), uma das empresas de capital de risco de maior sucesso no mundo, disse que as criptomoedas são bastante semelhantes à internet em 1993.

Como acontece com qualquer outra tecnologia ou mercado emergente, o espaço das criptomoedas tem visto um grande número de projetos e fraudes fracassarem nos últimos anos.

No entanto, segundo Evans, se os investidores se concentrarem nos projetos fracassados e nas operações fraudulentas no setor das criptomoedas em crescimento exponencial, seria como descartar a Internet em 1999, com base na falta de progresso da Usenet, Cuecat e Boo.com.

class=

“As criptomoedas hoje tem muito em comum com a internet em 1993 e com a internet em 1999. Enorme potencial com poucos dos casos de uso inventados, combinados com futilidades, fraudes e ilusões. Isso torna mais fácil dispensar.”

Anteriormente, Ben Horowitz, co-fundador da A16Z, enfatizou que um aspecto enganador sobre tecnologias emergentes como as criptomoedas e telefones celulares é que, no início, as tecnologias emergentes parecem significativamente inferiores às tecnologias existentes.

Assim, devido à discrepância de eficiência e praticidade entre as tecnologias emergentes e as soluções existentes, é mais fácil descartar tecnologias recém-criadas com base na premissa de que elas são golpes.

Em um novo mercado, os investidores muitas vezes tentam investir em todos os novos projetos para pegar a bolha. Vários projetos de criptomoedas alcançaram valorizações multibilionárias no final de 2017, quando a valorização do mercado de criptomoedas atingiu US $800 bilhões.

Mas, Evans explicou que, à medida que o mercado amadurece, surgem mais casos de uso convencionais, e as tecnologias empregadas pelos projetos no setor vão melhorando drasticamente.

“Olhar para as criptomoedas e ver apenas as fraudes é como olhar para a internet em 1999 e ver apenas a bolha. Olhar para as criptomoedas e não ver os casos de uso é como olhar para a internet em 1993, quando a web tinha 3% de tráfego”, disse Evans.

No que diz respeito ao argumento popular contra as criptomoedas de que elas não têm um caso de uso claro, Evans afirmou que, em 1993, não haviam razões suficientes para um uso geral da Internet.

A diferença entre as criptomoedas em 2018 e a internet em 1993 é que as criptomoedas já possuem vários casos de uso que superam a eficiência dos sistemas tradicionais.

Por exemplo, como um método de pagamento sem fronteiras, é substancialmente mais barato enviar um pagamento em Bitcoin do que depender de sistemas bancários, como visto na liquidação de US $194 milhões do Bitcoin com uma taxa de US $0,1.

“OK: não há casos de uso convencionais. Não havia razão para qualquer pessoa normal usar a internet em 1993, razão pela qual nenhuma pessoa normal a usava, e a coisa que mudou isso, a web, mal existia. Nós tínhamos uma capacidade.”

 

Criptomoedas ainda estão em sua infância

Para os investidores, empresas de capital de risco e fundos de hedge, é mais fácil descartar as criptomoedas do que entender e reconhecer seu potencial a longo prazo para operar como uma moeda de consenso e um supercomputador global.

Mas, se as criptomoedas atingirem a adoção geral, os investidores que não considerarem o potencial da tecnologia ficarão de fora, como foi visto no caso da internet em 1999.

 

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: ccn


COMENTÁRIOS