Maiores instituições financeiras do mundo ainda estão fazendo grandes apostas nas criptomoedas

06/12/2018


Sequoia, Baidu, Nasdaq e Fidelity estão entre alguns dos maiores conglomerados de tecnologia e instituições financeiras a fazer grandes apostas nas criptomoedas na semana passada.

Apesar do mercado em baixa, que levou as grandes moedas a perderem em média de 80 a 90% em valor, tanto as empresas relacionadas a ativos digitais quanto os protocolos blockchain estão levantando dezenas de milhões de dólares de instituições de alto perfil.

Em 4 de dezembro, a Nasdaq, segunda maior operadora de mercado de ações do mundo, e a Fidelity, a quarta maior administradora de ativos do mercado global, investiram em uma exchange de criptomoedas chamada ErisX.

A empresa conseguiu uma rodada de financiamento de US $27,5 milhões, liderada pela Nasdaq Ventures e pela Fidelity Investments, em menos de dois meses depois de ter levantado uma rodada de financiamento da TD Ameritrade, a gigante de corretagem avaliada em US $30 bilhões.

Na época, J.B. Mackenzie, diretor de negociação de futuros da TD Ameritrade, disse que o investimento da empresa na ErisX demonstra seu interesse em estabelecer uma plataforma com a qual os investidores e varejistas credenciados no mercado norte-americano possam investir em criptomoedas em um mercado totalmente compatível e protegido.

“Queríamos encontrar algo que trouxesse criptomoedas para os clientes, onde eles pudessem vê-las em uma exchange, algo com que se sentem confortáveis no mercado regulado.”

Com o capital recém-adquirido, o CEO da ErisX, Thomas Chippas, disse que a empresa começará a expandir agressivamente sua equipe em todo o país para, eventualmente, fornecer apoio a investidores institucionais e individuais em todos os 50 estados dos EUA.

“Com o crescente apoio financeiro de empresas de ponta, a ErisX oferece a oferta de ativos digitais mais robusta, segura e regulada disponível para participantes institucionais e individuais. Fechar esta segunda rodada de financiamento nos permite continuar construindo nossa plataforma moderna e expandir nossa equipe.”

Para a Nasdaq e a Fidelity, um investimento em um setor emergente como o mercado de exchanges de criptomoedas, independentemente do sucesso e da sustentabilidade do negócio, é frequentemente abordado com cautela, porque acordos como a sua aposta de US $27,5 milhões na ErisX demonstram sua confiança no longo prazo e crescimento do setor.

Um grande investimento em um negócio de criptomoedas durante um período de incerteza e dúvida poderia reavivar o interesse de investidores no mercado global em direção às criptomoedas.

Ao longo deste ano, o mercado de criptomoedas mostrou sinais de sobrevivência e demanda relativamente alta de indivíduos e instituições em todo o mundo, mostrando um vislumbre de esperança aos investidores que apostaram no mercado com base no potencial da classe de ativos no longo prazo.

Acordos de alto perfil, como o da Nasdaq e a rodada de financiamento liderada pela Fidelity, poderiam servir como uma reafirmação para investidores potenciais de que a indústria em torno da classe de ativos não é uma moda passageira e que sobreviverá ao mercado em baixa assim como sobreviveu aos últimos 9 anos.

Esta semana, a Sequoia, uma das empresas de capital de risco mais influentes na Ásia, e a Baidu, a maior operadora de mecanismos de busca da China, investiu US $35 milhões em um protocolo blockchain criado por um vencedor do prêmio Turing chamado Andrew Chi-Chih Yao, um professor de ciência da informação na prestigiada Universidade de Tsinghua.

As ICOs também arrecadaram mais de US $60 milhões no mês de novembro, em meio à crescente pressão regulatória dos EUA.

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: ccn


COMENTÁRIOS