Novo projeto de uma cidade inteligente baseada em blockchain planejado para a capital do Cambojana

14/08/2019


Uma startup de Cingapura, a Limestone Network, está usando o blockchain para um projeto de uma cidade inteligente no coração da capital do Camboja.

Como a Tech in Asia relata em 14 de agosto, o empreendimento de 100 hectares de uso misto em Phnom Penh abrange propriedades residenciais, escritórios, centros comerciais, escolas, shopping centers e uma enorme sala de exposições. O projeto de apoio privado afetará 10.000 comércios e uma população de 190.000 pessoas.

A Limestone surgiu da primeira rodada de startups de blockchain do governo de Cingapura, o Tribe Accelerator, apoiado pela agência governamental Enterprise Singapore.

Passaportes e carteiras digitais

No coração do projeto Phnom Penh está um sistema de identificação com blockchain, que cria um passaporte digital para residentes e passageiros através de um aplicativo móvel.

Os usuários devem passar por verificações de antecedentes antes de um passaporte ser emitido, o que concede a eles acesso a uma carteira digital móvel e inclui recursos como o fornecimento de acesso a diferentes prédios.

A fim de não intermediar os laços entre as empresas e o público, o projeto se concentra no uso do blockchain para fornecer portabilidade de dados segura - de modo que uma empresa possa pular intermediários na prestação de vários serviços diretamente aos consumidores.

Ele também visa ampliar a inclusão financeira, usando dados de histórico de pagamentos digitais e dados de estilo de vida como um equivalente a uma pontuação de crédito que permite que residentes e trabalhadores solicitem micro empréstimos e outros serviços financeiros.

Previsto para ser concluído no início de 2022, o projeto terá no futuro vários parceiros, como aplicativos de passeio, instituições financeiras, proprietários de marcas de varejo e empresas de análise de dados.

Ao longo dos próximos cinco anos, a startup pretende implantar projetos de cidades inteligentes semelhantes em todo o Sudeste Asiático com a cooperação dos governos locais.

Cidades inteligentes movidas a blockchain

O pesquisador sênior visitante da Escola de Negócios da Universidade Nacional de Cingapura, Emir Hrnjic, disse que a principal vantagem das cidades inteligentes baseadas em blockchain é seu potencial para agregar, analisar e distribuir dados em tempo real.

Ele reconheceu os desafios regulatórios e de privacidade de dados que as tecnologias centralizadas e descentralizadas enfrentam, observando que:

“O futuro das cidades inteligentes com blockchain provavelmente seria algo entre uma sociedade ideal, onde todos têm controle sobre suas vidas e meio ambiente, e uma sociedade distópica de poucos controlando as massas.”

A capital da Coreia do Sul, Seul, também tem planos para transformar-se em uma cidade inteligente. A capital sul-coreana pretende lançar sua própria moeda digital chamada S-coin, cujo objetivo será incentivar os cidadãos a participarem da governança, facilitar a cooperação entre os cidadãos e coletar informações.

Outros países também já manifestaram seu interesse no blockchain como Dubai, Israel, Suíça, Arábia Saudita, EUA, Espanha, Áustria e França.

Isenção de responsabilidade. A Universidade do Bitcoin não endossa nenhum conteúdo nesta página. Embora tenhamos como objetivo fornecer a você informações importantes do mundo das criptomoedas, os leitores devem fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomarem quaisquer decisões e assumir total responsabilidade por elas, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.

Fonte: cointelegraph


COMENTÁRIOS
Criação